MOBILIDADE URBANA É UM GRANDE DESAFIO PARA O AMBIENTE CORPORATIVO

A opção pelo automóvel, que pareceu ser a resposta perfeita para os problemas de transporte da população no século XX, tornou-se tornou um desafio em todas as grandes cidades do mundo moderno. O transporte individual levou à paralisação do trânsito: desperdício de tempo e combustível, além de problemas ambientais, de saúde pública e de ocupação do espaço público.

O carro,se usado para a compra no supermercado ou lazer, não causa grande prejuízo. Entretanto, em São Paulo, 6,5 milhões de pessoas se direcionam diariamente, de carro, ao trabalho na mesma hora. A mudança de paradigma sugerida são de ações como carona solidária, ônibus fretado, escalonamento de horários, compartilhamento de taxis, subsídios a bilhetes de transporte, instalação de bicicletários e vestiários, estímulo ao home office, e uso do serviço de entregas por bicicleta.

Por esse motivo, empresas no Brasil vêm debatendo o tema em busca de formas mais eficientes de deslocamentos para seus colaboradores. Ações para racionalizar o uso do automóvel, incentivar o uso de transportes coletivos e não motorizados, e reduzir a necessidade de deslocamentos, estão se tornando mais comuns no meio empresarial.

O incentivo das organizações, a racionalização do uso de automóveis e as ações que estimulam o uso de transporte coletivo qualificam e melhoram a mobilidade local.É o que mostra o Passo a Passo para a Construção de um Plano de Mobilidade Corporativa, lançado durante o seminário Mobilidade Corporativa: o papel das empresas na melhoria das cidades. O encontro faz parte das atividades da Virada da Mobilidade 2015, em São Paulo.

A publicação apresenta a metodologia desenvolvida pelo WRI Brasil Cidades Sustentáveis para a elaboração de planos de mobilidade corporativa e a difusão do conceito GDV (gestão de demanda de viagem) entre as empresas.O passo a passo traz diretrizes técnicas para orientar as empresas no processo de desenvolvimento dos planos de mobilidade corporativa, que devem seguir sete etapas: Preparação, Definição do escopo, Comunicação, Diagnóstico, Elaboração, Implementação e promoção e Melhoramento e revisão. grafico mobilidade urbana

Anunciar a todos os funcionários que a Organização está desenvolvendo um plano de mobilidade corporativa deve ser a primeira atividade de comunicação. Isso pode ser feito através de newsletter, cartazes, e-mails e mensagens em redes sociais. A divulgação deve explicar seu processo e destacar as vantagens para os funcionários e a sociedade. Se os funcionários entendem a razão de o plano estar sendo elaborado – o que está sendo proposto e o que se espera alcançar – maior será sua adesão. Essa mensagem pode ficar ainda mais forte se vier acompanhada de um comunicado oficial da diretoria.

É necessário desenvolver um plano de comunicação claro e consistente, a visão, os objetivos e as metas devem orientar a elaboração da estratégia de comunicação.

Estimular uma ação coordenada e conjunta entre, funcionários e gestores, promovendo a troca de experiência, entender as motivações e os valores é a base para a construção de mensagens relevantes, de caráter positivo. É fundamental que uma das mensagens, passe a informar aos funcionários sobre o comprometimento da diretoria com a elaboração do plano, o exemplo tem que vir de cima, e os funcionários precisam sentir confiança e perceber o engajamento de todos nessa nova política de mobilidade.

Mensagens que encorajem os funcionários, a usar um meio mais sustentável de transporte, devem ser sempre fortemente exploradas. Destacar sempre os pontos benéficos (financeiros, sociais, ambientais e relativos à saúde), encorajar as pessoas a usar outras opções aos poucos, de forma que elas sintam que não se trata de uma proibição do automóvel, mas sim usar de maneira mais consciente.

Não omitir informações, questões controversas como,quando existe  restrição no uso do estacionamento, pois a chave do sucesso é prover bons argumentos sobre custos, congestionamentos, problemas ambientais, como também,  resultados obtidos em outras organizações. Deve-se focar na diversidade de medidas existentes, que ampliam opções e oferecem benefícios.

Algumas pessoas podem oferecer resistência no inicio, mas no futuro ao perceber colegas satisfeitos com novas alternativas mudam de opinião.

Para a estratégia das ações podem ser usadas diversas ferramentas, como, criação de newsletter, intranet, uso de redes sociais, grupos de mensagens, distribuição de materiais de divulgação, fixação de banners. Uma página na intranet da organização pode ser criada para disponibilizar mais informações e detalhes sobre as fases do plano, assim como proporcionar o monitoramento do seu avanço. Incluir um canal de comunicação entre os funcionários, para que estes possam tirar dúvidas, compartilhar experiências e expressar opiniões, o que trará mais elementos para refinar a estratégia de comunicação e avaliar sua efetividade.

Adotar ações como a realização de eventos especiais (tanto para o lançamento do plano quanto para a implantação de novas medidas), reconhecimento (destacar histórias pessoais), além da criação de uma marca. A marca torna o plano único e cria uma forte identidade entre os funcionários. Construir um plano de mobilidade corporativa demanda conhecimento específico. Muitas vezes, isso requer cooperação com parceiros externos, esses parceiros podem ser órgãos públicos, organizações sem fins lucrativos, consultores e empresas dispostas a compartilhar suas experiências ou a unir esforços.

A comunicação deve evoluir ao longo do desenvolvimento do plano especialmente após o diagnóstico e responder às diferentes percepções e demandas dos funcionários. A adaptação da comunicação requer a manutenção do foco no objetivo, com modificações nas mensagens e nas formas de engajamento, caso necessário.

As empresas podem impactar positivamente as cidades ao incentivar hábitos de deslocamento mais sustentáveis entre os funcionários, fornecendo informações, facilidades e incentivos, se envolvendo na causa e dando exemplo. A mudança de hábito é um processo contínuo e longo.

Um plano de comunicação bem desenvolvido com uma linguagem adequada ao público alvo, destacando a importância e os benefícios da mobilidade corporativa tem potencial de engajar mais adeptos e encurtar este processo.


REFERÊNCIAS

http://www.mobilize.org.br/noticias/8901/mobilidade-tambem-e-desafio-no-ambiente-corporativo.html

http://embarqbrasil.org/research/publication/passo-passo-para-constru%C3%A7%C3%A3o-de-um-plano-de-mobilidade-corporativa

NEIDE AIDAR | RA: 20754483

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s